Do Celular Para a Câmera Digital

Por – Viviane Sabino

Primeiramente queria agradecer a oportunidade de transmitir o que venho aprendendo com a fotografia em minha vida.

Acredito que seja melhor eu começar da seguinte forma. Se você não ama, não sente, ou simplesmente está indo pela moda, aconselho nem começar em pensar em comprar sua câmera digital.  1 ° A câmera é cara, 2° Porque tudo relacionado a fotografia em nosso país que não seja algo comercial não ganha destaque, 3° Você terá que passar por milhões de fotos comerciais, que você praticamente abomina para abrir espaço e ganhar dinheiro para fazer o que gosta, 4 °Vai chegar um momento que você pensará se é suficientemente bom, pois há pessoas de escolas “fodas” que as mensalidades custam em parcelamento uma câmera nova por mês, e 5° Onde acho mais crucial; não será fácil ser reconhecido ou começar a trabalhar na área se não quiser muito isso, e acreditar em si mesmo. Por esses motivos se não estiver disposto à isso busque outra profissão.

 COMECEI DESDE MUITO CEDO A SER APAIXONADA POR IMAGENS

Com tudo isso comecei, como diz minha mãe “ desde de muito cedo a ser apaixonada por imagens e por fotos de suas variadas formas”, mas havia esquecido disso depois da minha adolescência e comecei a buscar outras formas de me expressar, sendo assim tive várias bandas, hobbies e quando fui para a faculdade fiz marketing, logo mais trabalhando com vendas sempre sonhando em entrar na área de publicidade. Quando entrei em após 1 ano iria me profissionalizar em motion design até que um dia um líder viu algumas fotos minhas no Pinterest, e me disse : “ Você não acha que está buscando a profissão errada, não entendo muito sobre fotografia, mas seu olhar tem algo diferente”. Foi a partir daí que mudei o foco e comecei a ir atrás de coisas que tinham a ver com a fotografia, cada vez que via algo novo me apaixonava mais. Mas como todo início não tinha grana para a câmera e tive a ideia de continuar fotografando com o celular,  sim com o celular (antes de terem cursos especializados para o ramo), não pense que era fácil ir em alguns lugares com fotógrafos equipados de câmeras super fodasticas, potentes e você ali com seu humilde celular, tendo alguns olhares tortos.  Mas como tudo na minha vida, entendi que era o que eu queria, apertei um botão na minha mente que dizia assim: “se eu tiro fotos legais e diferentes com o celular, imagina com a câmera. Como não tenho uma câmera ainda, não posso parar de treinar meu olhar por isso”. Ao invés disso fui na minha primeira saída fotográfica sem saber como era, descobri lugares na liberdade que precisam apenas uma coisa: vontade de querer se sentir e contar sua história pela lente, independente de como ela é. Foi a partir daí que fiz minha primeira foto, que fiz quando estava indo trabalhar, ela se resume em duas árvores e um pássaro perdido dentro delas, como se buscasse a liberdade, tratei a imagem com o próprio aplicativo do celular e deixei em preto e branco, era como eu me sentia indo trabalhar, eu queria ser ele ali e voar para onde pudesse e quisesse. Demorou mais um pouco até conhecer a galera da fotografia independente, onde em questão a Silvana do grupo click a pé me apresentou e houve uma reunião onde conheci a Larissa e pessoas do grupo que se apaixonaram por esta foto “onde queria me perder e ser livre igual ao pássaro entre as árvores”.

Eu estava tão envergonhada por ser a única com a foto do celular , mas as pessoas mostraram que eu estava errada e depois daquela reunião que abriu meus olhos para como trabalhar com o cliente, Pois estava aparecendo alguns trabalhos e eu não sabia como cobrar e tinha vergonha disso por não achar meu trabalho “tão bonito”, ou o pior ainda achar que “ninguém iria me contratar por isso”. Após esse dia pesquisei a fundo a câmera que eu gostaria de ter e que coubesse no meu bolso, foi aí que achei a Nikon D3100 ( deve estar se perguntando pq ela, certo?) trabalhei em uma empresa que fazia vendas pela internet e eu deveria tirar algumas fotos no estúdio mesmo não sabendo, tentava mas não ficavam muito boas, mas amei trabalhar com uma Nikon D5100, tinha amigos que tinham Canon, Sony e deixavam eu usar, mas é como se fosse sua primeira paixão, não tem como esquecer (risos). Bom voltando, depois de tudo isso comecei a mostrar meus trabalhos para meu marido que me apoia muito e ele não dizia que meu trabalho não estava bonito ou ridículo, ele mostrava a realidade e como eu poderia melhorar, daí fui em uma feira para a cultura negra, onde tirei fotos grátis(sim, grátis para entender por onde eu começava) para apresentar meu trabalho e conhece mais pessoas e quem sabe rolar alguma coisa, e sim! Aconteceu, e venho fazendo alguns trabalhos para divulgação das roupas da loja Selloko que abriu as portas e meu olhar para os trabalhos ainda pequenos, mas quem sabe minha carreira de Designer gráfico vire somente a de fotografia (espero!). fiz alguns casamentos, feiras e um ensaio masculino. E no meio de tudo isso descobri quais as minhas paixões : Moda, ensaio, sensual, newborn pet ( onde ainda não tive a oportunidade), mas estou buscando, isso é melhorar o meu conhecimento técnico. Ainda tem coisas que não sei, pois mesmo passando por todas essas histórias que contei não consegui ainda pagar meu curso que eu farei em um futuro breve.

 

Mas para você que leu minha história até agora vai alguns conselhos da tia aqui(risos):

  • Todas vez que tiver um trabalho: cobre o valor justo mesmo que você ache que não está tão bonito como gostaria.
  • Cliente não é seu amigo, parceiro ou algo assim por isso faça um contrato e abra firma para que o mesmo entenda a seriedade do seu trabalho
  • Ao marcar um ensaio cobre a taxa de agendamento, para que a pessoa leve a sério.
  • De brindes para seus melhores clientes e aprenda a fideliza-los
  • Saiba um pouco de designer para ao divulgar seu trabalho de maneira legal, onde você possa atingir o público que deseja
  • Saiba lightroom, Photoshop, tratamento de imagem(mesmo que o básico para te ajudar)
  • Salve seus arquivos em mais de um lugar, sendo: Hd interno, externo na nuvem, pen drive mas salve isso vai te ajudar quando seu pc queimar ou o Hd simplesmente der pau
  • Não use a desculpa “Não tenho dinheiro para fazer  curso”, YouTube é um ótimo aliado, é uma das alternativas mais baratas como Udemy já podem ajudar bastante.
  • E por último aprenda, saia para fotografar de graça ( use essa opção caso seja muito bom pra vc aprender algo novo, caso contrário não faça de graça)

E Se você ama assim como eu,  fotografar e contar histórias com celular, câmera emprestada, câmera sua, ou usada você irá extrair o melhor que só você consegue fazer.

Bjs Viviane Sabino Schoepe

A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos de sol e atividades ao ar livre
Viviane Sabino

Fotos da Viviane

Links:

Facebook da Viviane

 

E se você curtiu a história de Vivi, e quer compartilhar  a sua, mande para nós sua publicação com  seu nome, contato, imagens e texto para o e-mail osegundoato@gmail.com com o assunto: ARTIGO DE OPINIÃO – FOTOGRAFIA

 

 

22 anos, experimentadora, fotógrafa e blogueira cultural.

Larissa Rocha

22 anos, experimentadora, fotógrafa e blogueira cultural.

Um comentário em “Do Celular Para a Câmera Digital

  • 24 de abril de 2017 a 16:34
    Permalink

    Parabéns pela matéria Viviane!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *