Netflix da diversidade

Neste mês de abril, estreia na Netflix a série Dear White People (Cara Gente Branca), que fala sobre o racismo em uma faculdade estado-unidense de elite onde há uma maioria branca. A série tem sido alvo de diversas críticas, pois muitas pessoas brancas disseram se sentir ofendidas com a série e iniciaram um boicote a Netflix com direito a campanha para cancelarem a assinatura do streaming. O motivo desta revolta foi um teaser de 35 segundos em que uma das personagens da série critica o “blackface”, nome utilizado quando um branco pinta o rosto para se fantasiar de negro.

Me surpreendi e ainda estou surpreso com toda essa revolta, se isolarmos essa série ainda não vejo um motivo plausível para isso. Existe racismo? Sim, mas não é contra os brancos, é o racismo real colocado na Netflix. Dear White People mostra o racismo em uma universidade, e uma multidão de pessoas querem me dizer que isso não existe? É claro que existe, e uma série que queira abordar esse tema, até mesmo para abertura de diálogo e analisar uma solução.

Agora vamos analisar a Netflix como um todo, os maiores sucessos do streaming são as suas parcerias com a Marvel, e quais foram as escolhas? Um cego (Demolidor), uma mulher forte, mas que sofre em um relacionamento abusivo (Jessica Jones) e, veja só, um negro que vira um herói após sofrer violência policial (Luke Cage). Dentre suas outras produções temos: The Get Down, Sense8, A 13° Emenda, Orange is the New Black, Chewing Gum, e muitas outras que abordam temas, como racismo e homofobia.

Se a Netflix já tratava tanto desses temas, por quê agora houve todo esse protesto? Porque o que antes estava implícito, ou em tons leves, agora foi escancarado e isso dói. Talvez faça a pessoa entender uma pequena parcela da dor de quem sofre racismo. Ainda não sei se Dear White People é uma boa série, mas já a estou amando, pois está fazendo doer naqueles que não entendem o racismo, e quando começa a doer é quando se busca a cura.

Estudante de jornalismo e cinéfilo

Gustavo Nogueira

Estudante de jornalismo e cinéfilo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *